Pular para o conteúdo principal
Centro de Custo x Centro de Resultado

Estamos numa época em que lemos muita coisa relacionada a uma nova gestão dos negócios, focada na geração de valor e otimização dos recursos disponíveis, ou seja, cada vez mais as empresas procuram modernizar a sua forma de gerir na busca de diferenciação e resultados mais vantajosos para os seus proprietários.

Mas, quando o assunto é análise de custos e resultados, a grandíssima maioria das empresas ainda continuam com as velhas práticas de levantamento de valores através dos centros de custos.

Estas empresas ainda pecam na questão que, apontam resultados como metas, mas os principais pontos de controle são os custos. E desta forma, criam-se dificuldades de averiguação do verdadeiro desempenho de determinadas seções ou departamentos, pois geralmente as receitas são registradas para um lado e as despesas para o outro.

Atualmente, é impensável imaginarmos uma competente análise gerencial de custos que procure gerar às empresas uma vantagem competitiva sustentável, se os gestores desconhecem o quanto ganham ou deixam de ganhar com determinado cliente ou segmento de venda.

É nesta lacuna que surgem os centros de resultados, que segundo o Professor Sérgio Iudícibus, “tratam-se de segmentos da empresa que são responsáveis não apenas por custos, mas também por receitas e portanto, por resultados”. A gestão focada desta forma facilita a constatação de desempenho ao alcance de objetivos, pois demonstrará as atividades e/ou os segmentos que não estão agregando valor de forma satisfatória à empresa, auxiliando os gestores no processo decisório de apostas ou necessidades de investimento.

Os centros de resultados estão se transformando também numa ferramenta importante para elaboração de metas e objetivos a serem alcançados, pois altera o foco tradicional de colocar-se como metas o simples faturamento de uma área comercial, por exemplo, obrigando ao gestor administrar o seu custo pois a sua meta será o resultado alcançado no final do período.

Como as empresas têm foco principal em resultados, é coerente que agreguem a questão do controle de custos com os objetivos de rentabilidade a serem alcançados, pois assim auxiliarão aos gestores de que forma devem utilizar os recursos disponíveis.

Colaboração: Fabiano Meassi

Vídeo Relacionado

No TED@MotorCity, Lisa Gansky, autora do livro “Mesh: Porque o Futuro dos Negócios é Compartilhar”, fala sobre o futuro de negócios que lidam com o compartilhamento de todo o tipo de coisas, sejam locações propiciadas por tecnologias inteligentes ou, mais ousadamente, entre colegas.

Exemplos cruzando os setores industriais -- da música aos carros -- mostram como estamos próximos deste futuro ‘meshy’.

Conheça uma solução para este tema
Controladoria Estratégica

Soluções para promover o controle efetivo do negócio, para você ter a informação certa, na hora certa, para a pessoa certa.

Para saber mais, participe deste programa

A necessidade de manter a empresa sempre competitiva exige uma equação que une produtividade e eficiência, à alta lucratividade a custos menores, então, uma função que antes era apenas de suporte, passa a ter uma importância estratégica, mas suprir a demanda por controladoria tem sido um

Gestão da Controladoria

Newsletter

Faça parte de nossa rede de relacionamento, e receba novidades em seu email.
Fique tranquilo, nós não enviamos emails indesejados.

Wrapper

Deixe seu comentário

COMO PODEMOS AJUDAR?

Não encontrou o que procurava? Envie-nos um email ou conte-nos como podemos ajudar a sua empresa.

ENTRE EM CONTATO